DAIMONOS
Intense Madness
Heavy Metal Rock – nac.
O metal nordestino sempre foi profícuo, apesar das dificuldades geográficas, mas tem uma cena grande e as bandas tem exposição e êxitos em proporções regionais, como no caso do futebol da “Lampions League” que é um sucesso. A horda Daimonos, oriunda de Natal (RN), não seria pra menos, que após um longo tempo de grande expectativa em relação ao primeiro Debut anuncia oficialmente o seu lançamento.Intense Madness mostra um clima de horror, suspense e carnificina, composto por 13 opus. Interessante, o disco saiu por 9 selos nacionais que representam muito bem o trabalho de distribuiçao, ou seja, saiu em tudo que foi canto. O destaque urgente é a vocalista Mirella Morais, que berra e urra como uma Ursa Maior. Vale destaca o dissabor que a banda passou por causa de um pilantra, que ficou responsável pelo lançamento simplesmente desapareceu com o dinheiro dado por tais 9 selos, o que fez com que o lançamento só fosse possível de ser realizado agora, em 2016, após um esforço dos mesmos. Todas as fotos foram registradas por Jean Silva e a arte do CD foi feita por Arthan Deadhymns (Keke). A banda agradece aos seguintes selos: Violent Records (SP), Vômito de Gato (RN), Heavy Metal Rock (SP), Antichrist Hooligans Distro (SC), Brothers Of Metal - Baixada Santista (SP), D.F.L. Productions (SP), Impaled Records (SP), Odicelaf Zine, Distro & Prod. (BA), Rock Animal (RS) e o Gil Dessoy da extinta OnEye Records (RS) que, mesmo com o fim do selo, continuou na parceria. Confira mais esta porrada extrema vinda da nossa California. Um misto perfeito de Death e Black Metal (musicalmente, as letras caem apenas para o Death). RC – 9,0

TRACK LIST:
1.    Intro
2.    My Tormentor
3.    What Can You Do For Me?
4.    Beyond
5.    Artifice
6.    False Purification
7.    World Of Chaos
8.    Intense Madness
Bonus Tracks:
9.    The Craziest Of The Crazies
10.  Fools Deserve To Die
11.  Origins Of Evil
12.  The Lucifer’s Law
Formação:
Mirella Jambo Vocals
Dennys Guitars
Kádson Breno Guitars
Rafael Assunção Bass
Lucas Daniel Drums

RIGOR MORTIS BR
The One Who…
Heavy Metal Rock – nac.
Após um longo hiato, os gaúchos da Rigor Mortis BR voltaram com mais força. Sim, com o BR em seu nome oficial, por existirem várias bandas homônimas no mundo todo. Aqui, a guerreira HM Rock capitaneada pelo grande Wiltão, segue apoiando e apostando em nossas joias. O Rio Grande, agora do Sul, é outro nicho do Death Metal nacional, e a opulência se faz presente e onipresente. Seu lado Brutal continua, só que cada vez mais técnico, ainda que reflitam as raízes do gênero da década de 1990. Pule a intro e caia de cara no chão com “Dialeto de  Morto”, embora se destaque “Find Bodys Parts Toy”, presença obrigatória em seus shows para sempre. Para o gosto do gringo, que gosta de ver bandas brasileiras fazendo referencias a nossas raízes “Febrônio Índio Do Brazil (O Filho Da Luz)” é a faixa para exportação. Apesar dos vocais e guitarras na cara, se destaca a cozinha, dando um suingue latino ao grupo, o diferencial que os estrangeiros procuram na gente. RC – 9,0

Track List:
1 – Intro
2 – Dialeto de Morto
3 – Psychotropic Illness
4 – Human Flesh Juice
5 – Medieval Impalament
6 – Find Body Parts Toy
7 – Febrônio Índio do Brazil
8 – Interlúdio
9 – Raw Meat Sugar
10 – The One Who…

Line Up
Leafar Sagrav – Vocal
Christian Peixoto – Baixo
Alexandre Rigor – Guitarra
Ricardo Borges Chiarello – Bateria

AIN SOF AUR
Ophis Christos
Sulphur Records – nac.
Realmente, dizem que Brasília é a capital da Fé e da religião no Brasil. Podemos incluir o ocultismo no meio disso tudo, e das bandas mais intrincadas e Ocultistas do Brasil. Afora o grandioso Miasthenia e outros. O Ain Sof Aur agora galga para ter o seu lugar ao Sol, ou melhor um lugar à Lua. Vindos com o seu Orthodox/Occult Black Metal, a Sulphur Records coloca no Mercado Ophis Christos, com uma ótima versão digipack. O trabalho gráfico é impressionante, com imagens e inscrições em hebraico, fundamentando as letras e o que é cantado e evocado e invocado aqui. Mostram conhecedores das artes ocultas e nos dando o privilégio de passar o que é permitido nas letras e na música em si. O seu debut Atra Serpens já havia mostrado a que vieram, mas agora, se superaram! Abrindo, Maveth Ha-Nephesh é a introdução instrumental ritualística de nove minutos. Se você só se importa por podreira, pule fora deste disco. Aqui, a obra é para ser absorvida num todo como em um Sabbath, onde tudo tem fundamento, começo, meio e fim. The Four Reflexions of Divinity and Indulgence atende por um Black Metal cru, pesado, colérico, com vocais cavernosos, sem ser tão rápido, mas bem pesado e pestilento. Mehûmah é assim também, porém na sua segunda metade, a parte invocativa e ritualista volta, com vozes infernais e moscas voando ao fundo, citando até Shekinah! Pralayakarta (Vamachara Tantra) é o Black cru de sempre, por três minutos (a faixa tem quase 15 minutos de duração). Aqui o hebraico dá lugar ao árabe, com toda a parte oriental, com direito a instrumentos, danças e toda a climatação invocativa. Cara, que trabalho! No final, volta a pauleira toda, mas encerrando com tambores e sons orientais milenares. Dá prazer fazer uma resenha de um disco assim! Baphomet agradece! O final é assombroso! Seguindo, Netivat Tohû é ainda mais, com mais de 16 minutos! Que nunca parecem chatos! Segue no Black Metal tradicional, para momentos de pronunciação e depois descambar na faixa mais pesada e rápida do disco, mostrando que eles fazem o que querem e quando querem, que também sabem fazer Black Metal pestilento se necessário for! Já Above the Supreme Crown of God é a única curta, com pouco mais de três minutos, de Brutal Black Metal do começo ao fim, um esporro só!. Encerrando, Yatra, outra faixa ritualística, mas mais curta, encerrando um trabalho perfeito! JCB – 10

LINE-UP:
M.H.S. – Vocals, lyrics/concepts, Damaru
S.A. – Guitars
J.S. – Bass
L.B.W. – Drums, Guitars, Sitar
GUEST MUSICIAN:
H.X.N. – Guitars on “The Four Reflexions of Divinity and Indulgence”

Faixas:
1. Maveth Ha-Nephesh
2. The Four Reflexions of Divinity and Indulgence
3. Mehûmah
4. Pralayakarta (Vamachara Tantra)
5. Netivat Tohû
6. Above the Supreme Crown of God
7. Yatra

MORK
Awake
Sulphur Records – nac.
O Black Metal brasileiro tem vários centros, com sua cena e peculiaridades. Brasília é um dos mais profícuos. Miasthenia, Omfalos e o Mork são os mais representativos. Apesar dos Mork serem os mais novos, pois num curto período de tempo, seis anos lançou o EP Preposterous (2008), o debut Exemption (2011) e agora retorna com Awake, numa luxuosa versãoDigipack, mostrando que o verdadeiro Underground tem seus requintes, embora muitas vezes de crueldade... Com um conceito filosofal inspirado em Friedrich Nietzsche, Arthur Schopenhauer e Jean-Paul Sartre, mostra intelectualidade e cultura e não apenas agressividade gratuita. A dupla Samhem (vocal, guitarra, baixo e teclados) e Foizer (guitarra), explorou temas que abordam o lado obscuro do pensamento humano. Problemas de relacionamento e se manter em uma banda de Black Metal sempre foram um problema para todas as hordas. Aqui temos uma atmosfera caótica, dramática e obscura nas passagens lentas, um dos diferenciais que a horda tem a nos mostrar. Destaque para Infirmita Carnis (videoclipe), que contou com vocais femininos de Ana Cláudia, esposa de Foizer, mas nada delicado, são vocais ferozes e vorazes! Esta faixa e outras trazem um tempero Doom. Os Mork conseguem serem brutais e sinfônicos ao mesmo tempo, com elegância sombria. Destaque para os teclados, que tornam a música mais sombria e tétrica, sem pasteurizar e descaracterizar o Black Metal. A dupla precisou de outros músicos para completar os instrumentos, como o baterista convidado V.Digger (Omfalos, Miasthenia, Harllequin e Device), Destaque ainda para a arte gráfica de Zakuro Aoyama e Guilherme Pinheiro. RC – 8,5

LINE UP:
Samhen – vocal e guitarra
Foizer – guitarra

Faixas:
1- Untamed
2- Sacrifice
3- Infirmita Carnis
4- Svatan
5- Three Transformations
6- Human
7- Lobos
8- Apostaticos
9- Preached By Death
10- Awake

LUVART
Rites Of The Ancient Cults
Drakkar Productions – nac.
E tome mais Ruído das Minas! O Estado de Minas Gerais é o líder na América Latina em proferir e parir hordas de Metal Extremo, seja do Thrash, do Death e claro, do Black! Aqui, temos algo mais diferente, uma horda de Occult Black Metal. Sim, eles são agressivos, brutais e pestilentos como o estilo pede e a tradição local manda. Mas o toque de Occult, que é mais nas letras do que na sonoridade, detona! Eles são aquele tipo de horda que gosta de usar e abusar de climas, atmosferas e ambiências. A velocidade ultrasônica e os blast beats são incrementos, não o prato principal. Apesar dessa “inovação” e da banda estar sendo mais conhecida por agora, eles são veteranos da cena Black Metal nacional (este ano, completam 20 anos de atividade, com uma pausa), e agora se sobressaírao no Underground pelo trabalho da grandiosa Drakkar Productions do Brasil. Soturnos as vezes, sorumbático em outras, eles têm aquela pegada de bandas que vieram fora do eixo tradicional do BM, ou seja, fora da península Escandinávia e Alemanha. Bandas “exóticas” de países “exóticos” como Suíça e o antigo Samael e Grécia com o soberano Rotting Christ, exercitam influência no som dos Luvart. Sons rápidos, alternados com momentos cadenciados e lentos, quase Doom Black, são a tônica daqui. Destaques para Primordial Incantation, Thy Draconian Majesty, Summoning the Black Light, além das mortais Wrathful Tyrant e Beyond the Gates of Realms. RC – 8,0

LINE-UP:
Brucolaques – Vocals / Guitars
Marbas – Bass / Keyboards
Blood Devastator – Drums

Faixas:
1. Primordial Incantation
2. Thy Draconian Majesty
3. At the Gloomy Sky
4. The Path of Serpent
5. Summoning the Black Light
6. Wrathful Tyrant
7. Beyond the Gates of Realms
8. Tenebris Mater

DR SIN
Invictus
Voice Music nac.
Os já veteranos do Dr. Sin chegam ai seu décimo disco de estúdio com muito pique. Mostrando sua veia tradicional e virtuosa aliada a uma produção atual e musicalidade moderna, mostram o poder de se reinventar mesmo após duas décadas de estrada (e mais outra década de seus integrantes Andria Busic (V/B), Edu Ardanuy (G) e Ivan Busic (D)). Invictus (que não tem faixa-título) abre com Saturday Night, moderna e polvorosa, lembrando em muito o Hard atual, soando com influências de Velvet Revolver. How Long é melódica e gruda na sua cabeça com seu refrão e sua melodia. Soul Survivor tem muito de Blues e de Hard setentista, enquanto The Great Houdini (justa homenagem), tem aquela pegada característica e virtuosa com a marca do Dr. Sin, com o baixo de Andria em evidência, mostrando o swingue que a banda sempre teve. This Is The Time ´[e a tradicional balada emquanto The Big Screen é outra com cara da banda em sua veia tradicional, com um show de Edu Ardanuy, um dos melhores guitarristas da bossa história. Fight the Good Fight encerra e tecnicamente, mostrando o porquê de Ivan Busic ainda ser um dos melhores bateristas do Brasil!

Faixas:
1. Saturday Night
2. How Long
3. We re Not Alone
4. Soul Survivor
5. The Great Houdini
6. This Is The Time
7. The Big Screen
8. Set Me Free
9. Without You
10. Fight the Good Fight

NOTURNALL
Back To F*** You Up!
Voice Music – nac.
Os paulistanos do Noturnall formam o verdadeiro Dream Team do Metal brasileiro. Recapitulando. O Angra surgiu e foi uma das maiores bandas da nossa história. Seus dissidentes formaram o Shaman. Os dissidentes do Shaman formaram a Andre Matos Band. Novos integrantes entraram no Shaman: Thiago Bianchi (V), Léo Mancini (G) e Fernando Quesada (B), ao lado do único que restou, Ricardo Confessori. Porém, ambos os três saíram do Shaman e como dissidentes, formaram o Noturnall, junto com Aquiles Priester (D), este dissidente do Angra, no lugar de Confessori, sem ter passado pelo Shaman, e atualmente no Primal Fear e ainda no Hangar. Só essa recomendação bastaria. Então você imagina que eles formaram outra banda de Melodic Metal, certo? Não! Errado! O Noturnall é irrotulável! Aqui, eles fazem quase de tudo, indo do Thrash, até o Prog Metal! Com uma produção moderna e um som idem, tem tudo para agradar e fazer sucesso no exterior, como já estão galgando isso.Back To F*** You Up! já é o segundo disco da banda, muito mais maduro e com mais personalidade do que o ótimo debut. Back To F*** You Up! é viciante e imprevisível do início ao fim. Aquiles Priester, como sempre, dá um show (diga um disco que ele gravou onde ficou abaixo da média?). Thiago Bianchi mostra versatilidade para fazer vários tons e notas díspares dentro das músicas. Mais uma vez, ele se supera, e cada vez mais. O subestimado Léo Mancini mostra mais uma vez sua técnica, talento e inspiração. Já Fernando Quesada, bem.. não é qualquer um que faz uma cozinha com Aquiles Priester, não é verdade? Como o disco só tem uma guitarra, seu baixo se destaca muitas vezes, dando um groove a mais ao som da banda. Completando, Juninho Carelli (K), dá conta do recado. Impossível destacar uma faixa específica, todas são excelentes. Mas para não passar batido, confira Zombies (The Holy Trinity), Major Cover Ups e Green Disease. Não baixe nada, compre o disco inteiro, vale cada centavo! RS – 9,0

Faixas:
1. Enquanto a Trégua não Vem...
2. Back To Fuck You Up!
3. Zombies (The Holy Trinity)
4. Fight The System
5. Major Cover Ups
6. Industry of Fear
7. This Is Life
8. Green Disease
9. We Are Not Alone
10. Rise Now!
11. Sick And Tired Of This All

ECLIPTYKA
Times Are Changed
Independente – nac.
O Heavy Metal com vocais femininos tem ficado em evidencia. Sejam eles guturais à lá Arch Enemy (e outros), seja soprano e sinfônico à lá Nightwish (e outros), seja agressivo e rude à lá Nervosa (e outros). Aqui a banda despeja um Heavy Metal competente, bem produzido, tocado e composto. Claro, sem trazer nada de novo, mas muito bem feito. Ouça você mesmo e tire suas próprias conclusões. Vamos nos ater ao que a banda investiu (e muito) e merece ser mencionado aqui. Marcelo Campos é o autor da arte, conhecido por ser baterista das bandas Trayce e Salário Mínimo. Conta com a produção de Jean Dolabella (ex-Sepultura, atual Indireto), foi gravado e mixado por Jean Dolabella e Andre ¨Kbelo¨ Sangiacomo no Family Mob Studios (Ratos de Porão, RPM, CPM22, Converse Brasil etc) em São Paulo no começo de 2014 e masterizado por Maor Appelbaum (Halford, Adrenaline Mob, Malmsteen, Therion, Sepultura, Angra) no ¨Maor Appelbaum Mastering¨ na Califórnia, EUA em Abril de 2014. Por que estamos citando mais isso do que a música em si? Pois a música você tem que ouvir. Há muitas boas bandas hoje, mas pecam na produção e aqui, não é o caso. Não tem jeito, hoje quem quer ter banda, tem que gastar mais e ter retorno de menos em vendas de CDs e shows, esta é a situação do Metal Nacional. RS – 8,5

Faixas:
1 - Times Are Changed
2 - To Your Final Breath
3 - Forgotten
4 - What You Think You Feel
5 - Embrace The Pain
6 - Breathing Again
7 - Changed and Gone
8 - Save Me From Myself
9 - If You Only Knew

ZÊNITE
Following The Funeral
Distro Rock – nac.
Banda de Thrash Death Metal lança seu terceiro registro, comemorando 25 anos de banda. O petardo, Following The Funeral conta com a participação de dois novos guitarristas, Wellinton Maia e Paulo Cruz. Following The Funeral foi gravado no Estúdio Da Tribo em São Paulo de forma analógica e conta com a produção de Ciero, um dos maiores produtores de Metal do Brasil. (Krisiun, Torture Squad, Claustrofobia).  O CD tem 11 músicas e arte gráfica feita por Fernando Lima, vocalista do Drowned. Esta veterana banda do Pará tem seu disco lançado pela conterrânea Distro Rock. A banda trás um som direto e reto, sem inovações, ou seja, Old School mesmo. Ela traz um som que ela fazia desde o começo, lá no fim dos anos 1980. Destaques para Brother of Lucifer, Tears of Horror e a “épica” e longa Cursed Cemetary. Completam a banda Luiz Lobato (baixo), Sandro Maués (bateria) e Marcelo Histeria (vocal). RC – 7,0

Faixas:
1. Blood 04:10
2. Worms of the Hate 02:53
3. Following the Funeral 04:47
4. Last Drink of Blood 03:58
5. Tears of Horror 03:15
6. Last Home 04:29
7. Smile Christian 02:38
8. Brother of Lucifer 02:19
9. Death to the Dawn 03:01
10. Return of the Devil 02:48
11. Cursed Cemetary 08:15
COLDBLOOD
Chronology Of Satanic Events
Distro Rock – nac.
A banda é uma daquelas que vai do Death ao Black Metal tranquilamente, sem sustos, e com competência. Um som cada vez mais técnico, mas bem trabalhado, melhor produzido, beirando o Brutal Technical Death/Black, com algumas melodias, sempre sombrias, e peso, bem pesado. Vocais guturais e certeiros, riffs secos em profusão (bangueie a vontade), e cozinha com altas doses de “metranca”, variando com andamentos ora velozes, ora arrastados. São as alternâncias de todos estes elementos que fazem uma banda de talento e o é. A produção feita por Chris "Mersus" Menning, no The Underworld Studio, em Solingen, Alemanha. A arte do CD tem uma imagem de Jesus de Nazaré amarrado e apodrecendo, feita em cima de uma foto tirada em um antigo templo no Peru. Destaques: a agressiva e técnica Anti-Christian Neo-Sectarianism (com andamentos ora com velocidade ora com cadência), a mais Death Metal Cross Inversion, mais Kristophobia (eu estou com esta doença, pois em todo lugar que você vai só se fala nisso, seja em que campo da atividade humana for, já está enchendo o saco), Metastasis (Christ) e Chronology of Satanic Events. Nada de novo, mas um artefato honesto e fudido! RC – 8,5

Faixas:
01. Anti-Christian Neo-Sectarianism
02. Cross Inversion 
03. Anthropomorphic Idolatry
04. Kristophobia
05. Insignia of Abba
06. Hell Transcendental
07. Metastasis (Christ)
08. Avoid Jehovah
09. Evil Icon
10. Chronology of Satanic Events

DISGRACE AND TERROR
The Final Sentence
Distro Rock – nac.
Segundo petardo dos paraenses do Disgrace And Terror, seguindo seu Thrash/Death, antes mais Thrash do que Death, agora mais Death do que Thrash. Uma das bandas mais Brutais do país, das de Death e Thrash, nestes 13 anos de atividade do grupo. O líder Rot (singelo, né?), vocalista e letrista, é destaque certo, com variação e versatilidade. Gutural, rasgado, gritado, ele oscila entre o Thrash e o Death, com passagens pelo Grind até. Mas ele varia muito, parecem vários caras que cantam, como se fosse uma Opera Grind, pela variação. A guitarra de Sérgio Inferno vem com aqueles riffs Thrash bem Old Brazilian School, com alguma sujeira e frieza. A cozinha formada por Rômulo Machado (baixo) e Aldyr Rod (bateria) se mostra coeza também. O disco é bem homogêneo sem destaques individuais, e vale a pena conhecer a banda, você que é fã de Thrash/Death. RC – 7,5

Faixas:
01- Psycho Mind
02- No Mercy
03- Condemned Humanity
04- The Gran Circus in Flames
05- Deep Insanity
06- The Final Sentence
07- Dead Child
08- Legado Del Mal[
09- Shadows of Violence (Live)
10-The Sensation is Dead (Live)
11- Terrorism (Live)

PARÁGONIA
Compilation vol. 1
Distro Rock – nac.
Antigamente as coletâneas eram criticadas por serem consideradas paus-de-sebo ou caca-níqueis. Sabemos de muita gente que ganhou rios de dinheiro lançando coletâneas de bandas Underground, pois quem lançava sabia que não vendia muito, mas cobrava rios das bandas para participarem e estas, por quererem promoção, se lançavam e muitas vezes entravam em verdadeiras roubadas. Mas aqui, o bicho pega e o negócio é diferente, pois a Distro Rock promove de verdade o Underground no Pará e do Pará para o resto do Brasil e do mundo. São 15 bandas paraenses de Metal Extremo, variando do Thrash, Death, Black, Metalcore, Heavy, Crossover e afins. Como sempre fizemos, desde os tempos do zine, não vamos citar destaques, pois é sacanagem, então, vá atrás da sua coletânea e apoie o Underground do nossos Brasil! RC – 8,0

Faixas:
1-INFERNO NUCLEAR (Thrash Metal))
2-ANTROFETIDO (Death Metal)
3-A RED NIGHTMARE (Metal Core)
4-MANDUCA NA ROÇA (Grindcore)
5-ETERNAL DARKNESS DCLXVI (Black Metal)
6-SCREAM OF DEATH (Death Metal)
7-N.D.V.B (Thrash Crossover)
8-ANTICORPUS (Thrash Metal)
9-ADIPOCERA (Crossover)
10-MITRA (Heavy Metal)
11-ANUBIS (Thrash Metal)
12-THUNDERSPELL (Heavy Metal)
13-DELINQUENTES (Hardcore)
14-DERCI GONÇALVES (Grindcore/Crust)
15-HELLRIDE (Thrash Metal)

BLACKCHEST
The Lung Of Stone
Independente – nac.
A BLACKCHEST acaba de lançar o EP The Lung Of Stone, que traz um Heavy Metal com fortes influências de Running Wild, Gamma Ray, Accept e Saxon. A banda debuta com este EP com 4 faixas regadas com o bom e velho (e insubstituível) NWOBHM e com muito do Metal alemão das bandas citadas, influenciadas pela própria NWOBHM. O EP tem boa produção e o defeito é ser um EP, apenas isso. A bateria que ficou meio espalhada, mas o restante está correto. A faixa-título abre trazendo todos estes elementos, mas Hail to Piracy é a melhor e deve direcionar um full length. Violin in Blood e Bury your Heart completam sem deixa a peteca cair. Esperamos o disco completo! RS – 7,0

Faixas:
01 - Lung of Stone
02 - Hail to Piracy
03 - Violin in Blood
04 - Bury your Heart.

KIKO LOUREIRO
Sounds Of Silence
Substancial – nac.
O guitarrista e co-líder do Angra, Kiko Loureiro, carioca, mas que fez sucesso na banda paulista, chega ao seu quarto disco solo. Demorou para sair o primeiro, mas depois que abriu a porteira... passa uma boiada, ainda mais com a instabilidade do Angra até então. Se você não sabe, discos solos de guitarrista não têm nada a ver com a sua banda original, eles aproveitam para colocar o que gostam, outras influências fora do Rock e bastante experimentalismo. Eles lançam mais para satisfazer seu lado pessoal do que comercial, são discos de músico para músico. Mas você que é fã dele no Angra, pode vir a gostar e entender o que há por trás de seu talento. Aqui, ele vem bem diversificado, com Metal, Rock, Pop, Jazz e Fusion. E claro, influência de música brasileira, afinal, Kiko se juntou a Rafael e Andre Matos no Angra, pois ambos queriam montar uma banda de Heavy Metal com influências brasileiras. E Kiko mostra que entende desse lado e gosta. Completam Felipe Andreoli também do Angra no baixo e Virgil Donati na bateria. Sim, Kiko Loureiro é o guitar-hero brasileiro! Confira. PR – 8,0

Faixas:
1. Awakening Prelude
2. Gray Stone Gateway
3. Conflited
4. Reflective
5. El Guajiro
6. Ray of Life
7. The Hymn
8. Mae D Agua
9. Twisted Horizon
10. A Perfect Rhyme

TORTURE SQUAD
Asylum Of Shadows
Substancial – nac.
Asylum Of Shadows de 1999, é o segundo álbum do Torture Squad, lançado originalmente pela finada Destroyer Records, na época em que ¾ da banda trabalhavam na Galeria do Rock, inclusive Castor na própria Destroyer de propriedade de Ozzynho. A banda fazia um cru Thrash Death Metal, mais até Death do que Thrash. A banda mostrava ser uma revelação, se tornando uma realidade pouco tempo depois. Este disco é ótimo, mas a produção não era boa, dificuldades ainda encontradas na época. Agora, com essa versão remasterizada o som ficou melhor. O lindo encarte em digipack já te faz um comprador deste CD. O disco todo é destaque, e esta versão trás bônus ao vivo na Alemanha com cinco faixas. Ansiamos pelo disco novo. Confira! RC – 8,0

Faixas:
1. Convulsion
2. Shades of the Evil
3. Asylum of Shadows
4. Murder of a God
5. Agonies in Your Brain
6. Mad Illusion
7. The Hangman s call
8. Come to Torture
9. Finally the Disgrace Reigns 
Bonus Tracks:
Live in Germany 2000 
10. Asylum of Shadows 
11. Murder of a God 
12. Mad Illusions 
13. Come to Torture 
14. Finally the Disgrace Reigns
HICSOS
Circle Of Violence
Laser Company – nac.
A carioca Hicsos continua firme na batalha, como nunca. Seguindo a escola brasileira do Thrash Metal, têm seu novo disco lançado pela Laser Company. Produzido pela inseparável e invencível dupla Marcelo Pompeu e Heros Trench, no já lendário Mr. Sound Studio (o nosso equivalente ao Morrisound Studios na Flórida). A produção ficou limpa e cristalina, clara e audível, sem perder o peso e ainda deixando o som sujo e orgânico. O Thrash tradicional do grupo na pegada Old School aparece revigorado e encorpado aqui. A banda, com mais de 20 anos de estrada está tinindo como nunca e agora chegou a sua vez! A diversidade entre as faixas é interessante, alternando faixas mais melódicas com outras mais rudes, faixas mais rápidas, outras mais cadenciadas. Destaques para Can’t Hang Terror, Prison Without Walls, “Mirror Eyes”, e “Needles”. Sim, eles são a bola da vez do nosso Thrash metal, e que estourem lá fora! RC – 8,0

Faixas:
1-Can’t Hang Terror
2-What You Reap
3-Now You’re Dead
4-Mirror Eyes
5-Destruction
6-Needles
7-Burn in Hell
8-Black Rain
9-Horrospital
10-Money Becomes God
11-Prison Without Walls
*Angel Ripped (bônus track)

AS DRAMATIC HOMAGE
Crown
Independente – nac.
A cena Black Metal carioca é muito profícua. Quiçá, a mais do Brasil, e talvez até hoje seja assim, uma contradição sadia com relação a uma das regiões mais quentes do Brasil, surgirem tantas bandas, em quantidade e qualidade, do mais frio, ríspido e gélido Black Metal. As Dramatic Homage é um projeto de um homem só praticamente. Alexandre Pontes, uma one-man-band. Com climas variando de intensos até melancólicos, passeamos por várias vertentes do estilo, e várias influências, com aquele algo do Metal Extremo Brasileiro, que é único, e que é mais identificável para pessoas de fora do que nós mesmos. A produção é de primeiro nível, e além do Black, nota-se passagens Doom (quase Funeral Doom), outras de Death Metal tradicional, sem faixas de destaque, pois o este artefato é homogêneo com vários opus à arte extrema.  Mas o que diferencia a banda são as melodias melancólicas e passagens fúnebres. RC – 8,0

Faixas:
01. Lessons
02. Monumental
03. Awake To The Twilight
04. The Icon Omnipresent
05. Journey Inside
06. Redemption
07. Idyllic
08. From The Battle Of Pain
09. The Age Of Transition (instrumental)

UNEARTHLY
Flagellum Dei
Shinigami Records – nac.
Bom, a cena do Black Metal carioca é uma das mais controversas e profícuas de todo o mundo dentro deste gênero. Tretas, brigas, agressões, polêmicas, inimigos dentro do próprio movimento, fazendo uma cena acalorada numa cidade e Estado ensolarados, tudo isso dentro de um estilo brutal, frio, ríspido e gélido. A ideologia está acima de tudo e do caos, veem a criatividade. Se este grupo de pessoas estivessem em algum país europeu, suas bandas teriam muito mais exposição e reconhecimento, então, falamos nossa parte para que isso aconteça. No caso do” “veteranos” do Unearthly, eles não participaram de todas as brigas passadas há quase duas décadas atrás, mas mantem a qualidade da tradição do Black Metal RJ. Flagellum Dei é o seu quarto disco, lançado em versao luxuosa em digipack, com produção de primeiro mundo levada a cabo pelos irmãos Slawek e Wojtek, do Hertz Studios, poloneses que já trabalharam com Behemoth e Vader. Com influências de Behemoth, a banda ainda soa com aquela pegada brazuca e carioca do estilo, com personalidade e identidade, flertando muitas vezes com o Death Metal. O CD abre com uma introdução de um dedilhado envolvente, em Seven. Six. Two, caótica e fria, tradição no estilo. A variação vocal também chama a atenção, não só usando guturais 100% do tempo, alternando com alguns vocais limpos e outros rasgados. Baptized In Blood abre arregaçando com tudo. Osmotic Haktesis (part.II) tem participação especial de Steven Tucker, ex-Morbid Angel, no vocal. Destaques ainda para Limbus, uma instrumental, My Fault, e Lord Of All Battle. Álbum ultra-recomendado para qualquer fã de Metal extremo e obrigatório para quem curte Black Metal contemporâneo, mas com raízes tradicionais. Destaque ainda para a soberba cozinha perpetrada por M. Mictian (B) e R. Lobato (D). RC – 9,0

Faixas:
01. Seven. Six. Two
02. Baptized in Blood
03. Flagellum
04. Black Sun (part I)
05. Osmotic Haeresis
06. My Fault
07. Lord of All Battles
08. Eye for an Eye
09. Limbus
10. Insurgency
11. Exterminata

SACRIFICED
The Path Of Reflections
Shinigami Records – nac.
Muito se fala do Metal Mineiro, grandioso dentro e fora do Brasil, parindo bandas seminais como Sepultura, Sarcófago e Overdose, dentre outras. Das mais recentes, o Drowned se destaca mais, mas Minas não para de produzir queijo nem Metal de qualidade. Embora a pegada do Metal Mineira geralmente tenda para o Thrash Metal e outros estilos mais extremos (cuja rivalidade na época com São Paulo, por produzir no passado, bandas mais “polidas” e Melódicas, o Sacrificed flerta com vários subgêneros do Metal, como o próprio THrash, mas também com o Heavy, Progressive Metal e até com o Death. Não dá para rotular a banda, que como destaque, tem os vocais femininos de Kell Hell. A onda avassaladora de bandas com vocais femininos é assustadora. A leva anterior seguia os passos de Nightwish, Tristania, Lacuna Coil, Within Temptation entre outras, que coroavam o chamado Gothic Metal Sinfônico. A “nova” leva vai na linha de Arch Enemy, Shadowside, Benedictum e é nessa pegada que vem o Sacrificed. Destaques para as faixas Soulitude (isso mesmo, uma junção de soul com solitude), com um groovie mostrando um quê no Metal moderno, e The Truth Beneath The Laments, a mais agressiva e que conta com a participação de Lanio Araújo, da Tormento. Vamos ver o que rola nos palcos! RS – 8,0

Faixas:
1- Wind of Liberty
2- Soulitude
3- Endless Sin
4- Walking through Flames
5- Before a Dream
6- Call os Insanity
7- Red Garden
8- Prison Mind
9- Far Away to Feel
10- The Truth Beneath the Laments

GENOCIDIO
The Clan
Voice Music – nac.
Sem dúvida, The Clan é o melhor disco do Genocidio. Fico bem à vontade para falar isso, por acompanhar a banda desde o fim dos anos 80 e por ter um afeto especial com alguns discos, como os Death Doom Hoctaedrom (93) e Posthumous (96) e o Gótico e enigmático One Of Them... (99). Também respeito o esporrento Rebellion (2002) é excelente, uma aula de Death Metal, ainda que eu não seja fã desse disco quanto os anteriores. Até porque a banda sempre primou pela originalidade e colocar suas influências pessoais, ainda mais por W. Perna, fundador e único remanescente da formação original. Todos sabem que Perna sofreu um acidente na escada rolante da Galeria do Rock, perdendo parte do dedão direito. Isso impediu ele de continuar tocando guitarra, mas não impediu de continuar tocando música e desde então, virou baixista. Agora com The Clan, a banda flerta com todos os estilos dos quais fez durante sua carreira, como se fosse uma coletânea, mas com faixas inéditas. A produção desse disco, disparada é a melhor de toda a carreira e a inspiração para as letras sombrias e a parte musical falou alto.A faixa-título abre de forma esmaga-crânio, flertando passagens Thrash com o Brutal Death Metal, uma das faixas mais extremas da história do grupo. Murilo berra como louco, totalmente gutural como nunca! Transatlantic Catharsis trás até algo de Black, com riffs amargurentos e melancólicos e uma aura saturna, com uma levada cadenciada, com o pau comendo do refrão em diante. Esta faixa lembra muito o grande Hypocrisy, influência certeira para a banda, tanto musicalmente quanto liricamente, já que ambas já falaram muito de ufologia. Metal Barrel Wasted tem aquele ar inglês de se fazer Death Metal, com algo de Benediction, uma faixa rápida, mas não na velocidade da luz. Está na alternância da dinâmica das faixas, na mudança de velocidade, variando várias entre e durante as músicas. Sem dúvida, uma faixa viciante. Settimia remete a um passado não tão longínquo, com muita influência de Paradise Lost, um belo Doom Goth, seja na levada e aura gótica, seja nas guitarras densas e atmosféricas, seja nos vocais limpos, mas graves e soturnos de Murilo. In Pain Not In Vain é outro bom momento, mas a coisa melhora ainda mais com Fire Rain, ultra-rápida, remetendo aos anos 80. Worlds Asunder é viajante, bem calma, lembrando muito os momentos mais sussurrados, tranqüilizantes e atmosféricos de Anathema e My Dying Bride, ícones do Doom inglês. The Unknown Giant tem o clima Hypocrisy mostrando também influências do Death Metal sueco, com aquela aura de Gotemburgo. Surpresa para o cover de Enter the Eternal Fire do sueco Bathory, mostrando que eles também curtem a parte épica do Metal em sua mais profunda raiz. Encerrando, as boas Haternity Requiem e Thou Shalt Not Decry. Um dos melhores discos do Metal nacional de 2010 (esse ano promete, além do excelente CD do Korzus, vem aí o Angra) e um dos melhores do ano no Death Metal! Ainda que a banda aqui, tenha flertado com o Doom e Goth, diversificando um estilo que está beirando a mesmice. Completam a banda o competente Fabio e o exímio guitarrista Dennis, responsável pelas guitarras mais inspiradas dos últimos tempos! JCB – 9,0

Faixas
01. The Clan
02. Transatlantic Catharsis
03. Metal Barrel Wasted
04. Settimia
05. In Pain Not In Vain
06. Fire Rain
07. Worlds Asunder
08. The Unknown Giant
09. Enter the Eternal Fire (Bathory Cover)
10. Haternity Requiem
11. Thou Shalt Not Decry

OCULTAN
Atombe Unkuluntu
Free Mind – nac.
O Ocultan é uma das bandas mais polêmicas já surgidas em nossa cena. Tanto pelo seu lado religioso, a Quimbanda, do qual usa como tema para suas músicas, seja pelo visual e também pela atitude realmente radical, de vivenciar o que canta em seu dia-a-dia. Pois por aí tem muito satanistas de boutique. O Ocultan não, realmente acreditam no que cantam de fato e vivem isso. Poucas vezes aqueles termos usados dentro do Metal como “true”, “verdadeiro” e “real”, fazem jus, como ao Ocultan. As letras são em inglês como são desde Profanation de 2005, já que nos primeiros discos de estúdio, Lembranças Do Mal, Lords Of Evil e The Coffin as letras ainda eram em protuguês. Por conta disso, o encarte vem com a tradução de todas. Para mim, isto deveria ser obrigatório em todo disco lançado no Brasil, seja de bandas brasileiras ou não. Ok, a maioria dos Headbangers sabem a língua inglesa, mas além de muita gente não saber, e para eles serve, acredito que a mensagem tem que ser passada para nosso público, ainda que toda e qualquer banda cante em inglês. Isso mostra como a horda tem respeito pelos seus fãs e também a preocupação que eles têm de passar a sua mensagem. E além da originalidade, acaba sendo muito mais próximo de nós o fato da banda cantar sobre entidades cultuados no Brasil do que demônios europeus e deuses nórdicos. Em Atombe Unkuluntu, marca o retorno do baterista C. Imperium à função de vocalista, posto já ocupado nos primórdios da trajetória do Ocultan. Como a banda já mudou de vocal algumas vezes, também acredito que essa tenha sido a decisão mais sensata, além dele ser um bom vocalista, soando brutal e poderoso. No fundo, apesar de baterista, e esteticamente ao vivo a banda poder perder em performance tendo um baterista cantando, C. Imperium é o melhor vocalista que a banda já teve. A parte gráfica é impecável e conta com uma das capas mais assustadoras já existentes (feita por Rafael Tavarez), tanto no Metal nacional como em toda a história do Black Metal mundial! Abrindo, Kalunga Ngombe é a intro, assustadora e bem diferente de 90% das introduções de discos de Black Metal, onde a maioria coloca apenas sons de ventos e tempestades. Na seqüência, a faixa-título, e desde já percebemos que o Ocultan criou o seu estilo próprio, caso raro hoje em dia. Aliás, eles sempre tiveram originalidade, apesar de mostrar algumas influências, que claro, toda banda tem. Mas ouvindo Atombe Unkuluntu não vêem à cabeça de imediato nenhuma outra banda que conheçamos. Aliás, o Brasil tem sorte de ter bandas tão originais como Sarcófago, Mystifier e o Ocultan. Sorte nossa e azar destas bandas, que no meu entender, não almejaram o devido sucesso e reconhecimento merecido, tanto aqui mesmo, quanto no exterior. Mesmo o Sarcófago, reconhecido no mundo todo, mas mais como uma banda Cult do que uma banda de sucesso. Tata Caveira alterna momentos esporrentos, com Blast Beats e tudo, com outros momentos mais cadenciados, com uma atmosfera muito sombria e riffs tétricos a cargo de Lady Of Blood, uma das melhores guitarristas do Brasil. Rites Of Dark Legions é outro petardo, com um quê de Death Metal, influência latente na banda, mas ainda Black Metal, numa das faixas mais brutais do disco. Unguia Unketa Muki Azan Akodi é um must. Começa avassaladora, a velocidade da luz, dando uma cadenciada com a guitarra tétrica, como sempre, um riso assustador, para voltar a porradaria total, alternando com passagens épicas. Aliás, são as alternâncias constantes de andamento, além das quebradas no ritmo, o grande diferencial do Ocultan. King Of The Night Tribes é outro grande momento épico, com melodias melancólicas e guitarras novamente inspiradas. Impressionante como Lady Of Blood, além de tocar muito, possui inspiração para criação destas linhas de guitarras, riffs e solos. O Triunfo da Escuridão é outro grande momento, e me pergunto, como um cara, além de tocar bateria de forma brutal e fazer tantas viradas, consegue ainda urrar ao mesmo tempo? O final dessa faixa em algo Doom, tanto na lentidão e peso, quanto no clima. Quer mais clima épico? Kakulo (Reign Of The Ancient Dead). Que riffs monstruosos são aqueles na segunda metade desta faixa? Vale lembrar o trabalho de baixo por conta de Magnus Hellcaller, ainda não falado aqui, poderoso e dando conta de acompanhar a veloz e brutal bateria. Encerrando, outra instrumental, o outro, Uanga Asueki, assustadora, fazendo você parecer estar no inferno de fato, após um ritual satânico e maligno. Coisa de quem ama, vive e acredita no que faz. JCB – 9,5

Faixas:
1. Kalunga Ngombe (Intro)
2. Atombe Unkuluntu
3. Tata Caveira
4. Rites Of Dark Legions
5. Unguia Unketa Muki Azan Akodi
6. King Of The Night Tribes
7. O Triunfo da Escuridão
8. Kakulo (Reign Of The Ancient Dead)
9. Uanga Asueki (Outro)

KORZUS
Discipline Of Hate
Laser Company – nac.
Merecido. Depois de longos seis anos, o Korzus solta seu novo disco aqui no Brasil via Laser Company e lá fora, o grande feito de assinarem com a AFM por um longo tempo. Depois de mais de 25 anos de carreira, a banda almejou o mercado exterior. A faixa-título começa o play com uma introdução, dentro da faixa mesmo. Isso evita com que pulemos a primeira faixa, quase sempre uma intro entre 9 em cada 10 CDs. Uma música direta, algo melódica, insana e caótica. De longe se imagina a desgraçaria que vêem a seguir. Truth, a faixa do videoclipe, incluso como multimídia em Discipline Of Hate, começa com uma leva cadenciada, bem estilo Bay Area, bem Testament. Depois a velocidade vem a tona, e vão se alternando estrofes cadenciadas “arrasa-quarteirão” com outras rápidas, principalmente no refrão. Impossível não bangear ao ouvir esta faixa! 2012 fala do tema em evidencia do momento, das previsões proféticas para este ano e do fim do enigmático calendário maia. A música tem um quê de Slayer. Cabe aqui destacar que, quando citamos que lembra isso ou aquilo, é porque 90% dos nossos leitores têm menos tempo de vida do que a banda tem de estrada, então se faz necessária esta “comparação” para situar a maioria dos leitores, mas saiba que a banda é contemporânea destas bandas clássicas do Thrash Metal norte-americano. Ou seja, muita coisa feita depois por muitas destas bandas consagradas, já vinha sendo feita em nossas paragens por bandas como o Korzus. Raise Your Soul é a mais cadenciada, lenta, moderna e também uma das mais brutais do disco, com riffs “atuais” e caóticos, mostrando como a “nova dupla” de guitarristas é entrosada e uma das maiores do Brasil. Alias, o novo guitarrista Antonio Araújo parece ter sido sempre da banda, tamanha naturalidade com que se encaixou e se entrosou com o grupo. Ele deu um “up” às guitarras do grupo. E My Enemy? Veloz, rápida, quase um Speed Metal, com vocais agonizantes e agudos de Pompeu. Sinceramente, depois do Tom Araya, apenas Pompeu consegue cantar rasgado e agressivo e em notas altas como aqui (e ao vivo ele faz o mesmo!). Revolution é frenética e vai na linha atual do Testament, brutal, alucinada, destruidora, com destaque para os vocais sobrepostos de Pompeu. E o que dizer de Never Die? Talvez uma das maiores faixas que já ouvi de Thrash Metal dos últimos tempos. Começa com um clima marcial, seguido de riffs “épicos”, portentosos, dando uma grandiosidade à esta faixa, com um refrão que não sairá da sua cabeça tão cedo. O instrumental me lembrou muito o desenvolvimento de vários clássicos do Mercyful Fate, mostrando que as influências da banda são as bandas Old School mesmo, nada de modernismo (a modernidade fica mais para a produção do disco), descambando para solos alucinantes, na escola de Kerry King. Já Slavery é quase que uma homenagem (musical, não lírica) ao Slayer, estonteante e esmagadora. Last Memories tem uma levada tribal, bem característica do Metal brasileiro, e que o Korzus já fez no passado como no KZS, por exemplo. Destaca-se o trabalho de Rodrigo Silveira nas baquetas, sem dúvida um dos maiores bateristas do Brasil. Under His Command é também brutal, insana e Pompeu canta como se fossem os últimos momentos de sua vida antes do Armageddon. Aqui vale citar também o baixista Dick Siebert, pois ele segura todas na cozinha e seu instrumento é vital para o funcionamento desta máquina do Metal que é o Korzus. O que dizer de Reap What You Sow? Moderna, com várias mudanças em seu andamento, uma das faixas mais originais do disco e um dos riffs mais inspirados que já ouvi em longos anos! Além de sua levada cativante (repeti essa faixa não sei quantas vezes já). O interessante de Discipline Of Hate, o disco, é que ele é direto. Treze faixas em menos de cinqüenta minutos. A duração das faixas quase sempre é inferior a quatro minutos. Ou seja, eles usam toda a sua técnica a favor das músicas e do que funciona, e não como 90% das bandas atuais (de Thrash ou não) onde todas querem soar melancólicas e Progressivas com faixas longas, que se tornam enfadonhas. O Korzus passa seu recado com muita técnica sim, mas sem embromação. Hell é outro momento bem Slayer, rápida, agressiva e com uma baita pegada. Haja fôlego! Hipocrisia trás a tradição “Korzusiana” de sempre ter uma faixa em português, com uma letra característica da banda também.  Encerrando a faixa multimídia, o clipe de Truth, numa das maiores produções já vistas em vídeo no Brasil. Esqueça estas bandas de New Metal disfarçadas de Metalcore. Esqueça estas bandas de Modern Thrash. Esqueça também estas bandas novas que copiam descaradamente Nuclear Assault e Exodus. Pois o Korzus tem um pé no futuro e na evolução, sem tirar o outro das suas raízes. Discipline Of Hate é disparado o melhor disco de 2010, tanto do Metal nacional como do Thrash Metal mundial, e ainda, o melhor disco da banda! Muito respeito, orgulho e reverência ao que o Korzus fez até hoje, principalmente em Mass Illusion (91) e KZS (95), além do bom Ties Of Blood, mas Discipline Of Hate captou verdadeiramente em estúdio, a fúria da banda ao vivo! As mil primeiras cópias de Discipline Of Hate vem autografadas no seu encarte (no pôster central). De modo inovador, a Laser Company se torna pioneira e fez em Discipline Of Hate, um atrativo jamais visto antes na música, mais uma ferramenta para combater a pirataria e os downloads. No fim do encarte há um selo, patrocinado pela Mega Energy Drink, uma marca de bebida energética, do qual o fã recorta este selo e concorre a uma viagem pela Europa com a banda. MAS ATENÇÃO: não adianta só acessar o site, para ganhar, tem que apresentar o recorte do encarte do CD. Maiores informações em: www.korzus.com.br. Ainda: dentre essas mil cópias, há apenas uma unidade com autógrafos diferenciados, do qual o sortudo também ganhará brindes. Portanto, vá atrás do seu, pois além de poder ganhar nestas promoções, terá em mãos um dos discos mais destruidores de todos os tempos já feitos por uma banda brasileira!
JCB – 10

Faixas:
01.Discipline Of Hate
02. Truth
03. 2012
04. Raise Your Soul
04. My Enemy
06. Revolution
07. Never Die
08. Slavery
09. Last Memories
10. Under His Command
11. Reap What You Sow
12. Hell
13. Hipocrisia

A SORROWFUL DREAM
Towards Nothingness
Independente – nac.
A banda é uma das maiores potências que temos dentro do cenário Doom Metal e Gothic Metal, mesclando com classe estes dois estilos. Seu Doom Gothic é sombrio, como o estilo pede, elegante e cativante. Vocais masculinos e femininos se alternam, sem copiar nenhuma banda em especifico, o que é bom. Apesar da banda ter surgido em 1996, só debutou ano passado, 2009. Neste período pudemos conferir suas demos e sempre vimos potencial no grupo. Me lembrou muito a primeira fase do Paradise Lost. Destaques para Last Whisper From a Winter Gale, The River That Carries My Loss e Harpies (For The Love Of The God). Perceba que é característico o grupo fazer músicas com títulos longos. A banda realmente parece ter nascido na Europa! Embora não haja algum destaque em evidência, seja nos músicos ou nas músicas (citamos as faixas acima, pois achamos as melhores), por isso mesmo falta ao grupo criar uma marca,que você ouça e identifique que se trata do ASD. RC – 7,0

Faixas
01. Last Whisper From a Winter Gale
02. The River That Carries My Loss
03. Body, Mercy and Madness
04. The Bringer of Light
05. Empire on Fire
06. Timeless
07. Tree of Lies
08. Harpies (for the love of the God)
09. A Sorrowful Dream (Bonus Track)


Voltar